Joaquim Guerra

Quando o silêncio dorme,
nós apagamos um pouco da nossa memória,
esperamos deixar espaços em branco,
rogamos que nos esvaziem memórias.

Quando o silêncio grita, clama,
por um pouco de companhia,
por umas poucas palavras
que nos guiem, nos orientem, nos encaminhem.

Quando o silêncio dorme,
vemos passar o nada, o vazio,
a solidão que nos empurra para grandes espaços
que nos agrilhoa

Quando o silêncio é silêncio,
na alma do nosso corpo,
no espaço da nossa memória
que tudo guarda, tudo fotografa,
tudo encaixa no nosso cérebro inconsciente de si, de nós, de todos.

Quando o silêncio dorme,
sinto-me acompanhado,
sinto-me não só, nesta vida
que nos quer solidão.

Quando o silêncio dorme,
apago momentos de memória,
construo outros recalcados,
deixo-os invadir a minha não solidão.

Quando o silêncio se quer silêncio,
pois para quê palavras.
Deixo o olhar cruzar olhares,
deixo-me ao abandono de mim.

Quando o silêncio dorme,
sorrio para o mundo.
Quer dizer que estou aqui,
que estás aqui, que me acompanhas,
que me guias, que me falas.

http://nrjalternativas.blogspot.com



4 Comentários:

jguerra disse...

serei eu?

jguerra disse...

sou eu sim. deixo aqui o link para referenciação. Não me importo que divulguem os meus escritos.
http://nrjalternativas.blogspot.com/2008/02/quando-o-silncia-dorme.html

Podes colocar no post?

jguerra disse...

Obrigado. Não é por mal, não quero que interpretes mal, mas sempre ajuda Às visitas e é sempre um prazer saber que gostam do que escrevo.

Dina t. Santos disse...

obrigado por sua permissão, tenho este blog com muito carinho,pois reúno aqui todos poemas que leio e gosto, faço questão de compartilhar com os amigos que me visitam

Postar um comentário

obrigado por visitar o blog

Seguidores

  ©Template Blogger Green by Dicas Blogger.

TOPO